Caminhos do Fantástico – Lido e comentado.

A coletânea nasceu do Concurso Literário Caminhos do Fantástico, promovido e organizado pela Editora Terracota e a organização do Fantasticon (Simpósio de Literatura Fantástica) e pretende ser anual. Tem o fantástico como temática e pretende mostrar como os autores (estreantes ou não) pensam a literatura fantástica no Brasil.

Quando terminei a leitura tive que admitir que fazia tempo não encontrava uma seleção de contos tão boa, tão regular. Quinze autores selecionados pelos organizadores (Claudio Brites e Silvio Alexandre) num concurso com regras rigorosas e que prometia desclassificar trabalhos diante da menor falta.

Tive um conto selecionado — Recomeços —, o que me enche de orgulho. Muito bom fazer parte de um time de feras que, mesmo com nomes pouco conhecidos, mostraram que tem talento de sobra.

Não pretendia fazer avaliações, nem leituras comentadas, já que tento não resenhar livros onde figuram trabalhos meus. Pode acabar sobrando algum cabotinismo, posso acabar sendo condescendente.

Mas não resisti.

Não pretendo comentar todos, só os que me causaram mais admiração e explicar os que me causaram menos.

Antes das avaliações, os autores: Alexandre Mandarino, Ana Lúcia Merege, Antonio Borgia, Bruna Dantas Lobato, Carlos Angelo, Cícero Leitão, Cristina Faga, Elisa Celino, F. Medina, Gilberto Garcia da Silva, Ícaro França, Leandra Lambert, Léo Nogueira, Luis Roberto Amábile, Marcelo Augusto Galvão, Marcelo Bighetti, Marta Rolim, Tibor Moricz.

Hiriburu de Alexandre Mandarino. História fascinante. Mandarino mandou muito bem, transmitiu estranheza e perturbação numa narrativa que põe em questão a relação homem/cidade. Como você reagiria se tudo o que você conhecesse da cidade onde mora, começasse a mudar, a se transformar de uma hora para outra? Se as ruas, os bairros, as casas e prédios ganhassem novas cores, dimensões, histórias? Se você, no meio de tudo isso, tivesse a própria história alterada?

Idolatria de Antonio Borgia. O que um pai desesperado pela morte do filho é capaz de fazer? Bom conto de terror. O autor é competente em traduzir o desespero do protagonista na busca da alma do filho ou da fagulha de vida que poderá trazê-lo do mundo dos mortos. E competente em mostrar os resultados aterradores dessa tentativa insana.

Um dia na vida do Senador Antonio Ribeiro de Ícaro França. Narrativa circular que demonstra que, na política, jogos de bastidores e argumentos retóricos são sempre os mesmos seja em que tempo ou realidade for. França nos conduz de Brasília às estrelas e depois aos primórdios da civilização (de alguma civilização).

A décima oitava vertigem de Leandra Lambert. Cenário alienígena rico e fascinante. A busca pelo prazer elevada à última vertigem.

Seu nome é mãe de Marta Rolim. Narrativa dramática que fala das relações tensas e tempestuosas entre mãe, filho e pai. Abordagem crua e realista, não parece resvalar no fantástico. Boa prosa, boa condução e bom final.

Tiradentes de Carlos Angelo. A história mais curta do livro. Mas não confundam isso com pouca profundidade ou abordagem rala. Cenário distópico onde apenas um ser humano sobreviveu. Sua busca por artefatos sagrados da humanidade leva a um final inesperado. Curto e surpreendente.

Agora citarei os trabalhos que não me agradaram. São apenas dois.

O primeiro deles:

Retratos de Bruna Dantas Lobato. Pelo que entendi, a autora conduz a narrativa pelo único ponto de vista da protagonista: um retrato (ela, um retrato). Todos os retratados são retratos que conduzem a lembranças antigas e esfumaçadas. O texto não consegue transmitir isso com clareza e deixa muitos vazios de entendimento pelo caminho. Trata-se de uma experiência estilística que peca pela prosa frágil. Serve como alerta: ao realizar exercícios de estilo, tenha em mente que sua prosa precisa ser afiada, senão esses exercícios vão ser mal sucedidos.

O segundo é:

O legado Troll de Francisco Medina. Preparo quase um capítulo a parte para falar desse conto. Surpreendeu-me vê-lo em destaque, abrindo a coletânea. Sabemos que é praxe deixar os considerados melhores trabalhos para abrir e fechar seleções. Mas O legado Troll está longe de ser o melhor trabalho do livro. Está longe sequer de competir com qualquer um deles. Trata-se de uma narrativa que faz parte de um universo maior. Quem não conhecer esse universo, vai boiar. A trama é confusa, a ação é fraca, destituída de emoção. Os personagens são planos demais, as motivações mal explicadas e a prosa muito frágil e repleta de pequenos vícios. Para completar, nos brinda com um final inteiramente aberto. Para entender a presença do conto na abertura da coletânea precisamos recorrer ao fato de que além dos quinze trabalhos rigorosamente selecionados, outros três foram convidados e encaixados a posteriori. Mas crer que preferências pessoais de um ou outro organizador poderiam macular uma iniciativa tão séria é o mesmo que crer que ambos os organizadores não levaram essa coletânea tão a sério quanto deveriam.

Fora isso, Caminhos do Fantástico mostrou que é possível (apesar da perplexidade provocada pelo tropeço inexplicado) montar coletâneas de muito bom nível.

Caminhos do Fantástico – Volume 1

Editora: Terracota
Organizadores: Claudio Brites e Silvio Alexandre
Gênero: Literatura Fantástica
Formato: 14 cm x 21 cm
Páginas: 228

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

6 Respostas to “Caminhos do Fantástico – Lido e comentado.”

  1. marcelobighetti Says:

    Esperando chegar o meu exemplar pra poder ler. Louco de curiosidade por aqui.

  2. Alexandre Mandarino Says:

    Parabéns pela resenha, Tibor, ficou ótima. Muito obrigado pelos elogios, fico realmente muito feliz que tenha apreciado o meu conto. Ainda não li o livro, estou curioso.

  3. Caminhos do Fantástico – Lido e comentado. | Ficção científica literária | Scoop.it Says:

    […] Um dia na vida do Senador Antonio Ribeiro de Ícaro França. Narrativa circular que demonstra que, na política, jogos de bastidores e argumentos retóricos são sempre os mesmos seja em que tempo ou realidade for. França nos conduz de Brasília às estrelas e depois aos primórdios da civilização (de alguma civilização).  […]

    • Icaro França Says:

      Nenhum conto peca por explicar de menos… a concepção inicial de “Um dia na vida do Senador Antônio Ribeiro” era mais ampla e detalhada, mas havia a limitação do tamanho, o que me levou a condensar a história para um mínimo funcional, aparentemente com bons resultados.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: